COM SINALEIRA FORA DE OPERAÇÃO, DOM BOSCO SE TORNA PREFERENCIAL NO CRUZAMENTO COM A COLOMBO PROVISORIAMENTE

  • O prazo para conserto será de uma semana, pois com a batida foram danificados os controladores da sinaleira (Foto: Divulgação)

Os motoristas rio-grandinos precisam ficar atentos para uma modificação provisória em um dos cruzamentos de maior movimento da cidade. Desde ontem, o semáforo que regula o tráfego de veículos nas ruas Cristóvão Colombo e Dom Bosco está fora de operação, depois que um ônibus colidiu contra o poste de sustentação e danificou o equipamento.

A fim de evitar acidentes, a Secretaria Municipal de Mobilidade Urbana e Acessibilidade (SMMUA) instalou placas para organizar o fluxo e transformou a Dom Bosco em via preferencial. A alternativa, na visão de comerciantes que possuem seus estabelecimentos em três das quatro esquinas, não deverá surtir os efeitos esperados, pois o desrespeito à sinalização já acontecia com a sinaleira em funcionamento.

De acordo com William Mendes, proprietário de uma loja de bebidas, pelo menos um acidente é registrado por semana naquele ponto. O empresário, de 35 anos, contou que no final da tarde e durante toda a noite as infrações são cometidas com maior frequência, sendo que a conduta de furar o sinal vermelho é mais registrada.

E foi justamente esse tipo de infração que causou uma colisão entre uma ambulância e um carro há alguns meses. Segundo Mendes, a viatura de urgência e emergência, que deveria reduzir a velocidade para passar no cruzamento, não freou e bateu contra um carro que seguia pela Dom Bosco. Com a força da batida, o Fiat Mobi envolvido quase invadiu o estabelecimento.

As frequentes batidas já causaram alguns prejuízos para a estrutura do imóvel, tanto que levaram o empresário a solicitar junto à SMMUA uma autorização para instalar uma proteção de ferro na esquina, mas até agora nenhuma resposta foi obtida. Outro problema detectado por William é com relação aos motoristas de fora da cidade que tentam dobrar na Dom Bosco pela contramão, por não possuir placa de indicação do sentido da via.

Sem o semáforo, quem também sofre as consequências são os pedestres que precisam esperar pela boa vontade dos condutores para atravessar de um lado ao outro. Em alguns momentos, a travessia se torna muito perigosa em virtude da quantidade de veículos que seguem em direção ao centro pela preferencial.

Segundo o secretário municipal de mobilidade urbana e acessibilidade, Julio Martins, o cruzamento permanecerá apenas com as placas por uma semana, pois a colisão acabou danificando os controladores da sinaleira. Ainda conforme o titular da SMMUA, serão trocados os dois braços de sustentação, os semáforos e toda a fiação, pois os funcionários do Núcleo de Sinalização constataram que o equipamento estava instalado no local há 25 anos.

Sobre a solicitação de autorização feita por William para a colocação de uma proteção na esquina, Martins informou que a ação não é permitida, pois a estrutura pode contribuir para um acidente ainda mais grave, além de obstruir a passagem de pedestres.

Texto: Rodrigo de Aguiar

[email protected]